maintitleNa instalação do sistema operacional Windows 8.1 ou 10 e principalmente com um bios UEFI, o GPT será o sistema de arquivos padrão mas e quando outra unidade de armazenamento é incluída na configuração, essa regra será seguida sem possibilidade de escolha ?!

Assim que o Windows é carregado e você inicia o Gerenciador de Discos e Partições, num breve tutorial [aqui], na configuração da nova unidade surge uma janela perguntando o sistema de arquivos a ser adotado despertando a dúvida na escolha entre o MBR (Master Boot Record – Gerenciador Mestre de Inicialização) ou o novo GPT (GUID Partition Table – Tabela de Partição GUID), para ajudar na escolha continue lendo o conteúdo a seguir apresentando algumas condições que certamente irão facilitar a escolha.

Por um lado temos o GPT promovendo diversas vantagens, por outro lado temos o MBR entre os mais compatíveis e ainda necessários em alguns casos. Falando nisso, o sistema de arquivos GPT não é exclusividade do Windows, o MacOSX e distribuições Linux também estão aptas a adotar esse padrão.

Numa estrutura de partição são definidas a maneira como as informações serão estruturadas, onde começa e termina essa partição assim como o código a ser utilizado durante a inicialização, quando essa partição for inicializável. Para aqueles que já formataram uma unidade de armazenamento ou também já configuraram um computador Mac para funcionar no mesmo disco com o Windows instalado, a famosa dupla inicialização ou dual boot permitindo utilizar um sistema ou o outro no mesmo computador/notebook, muito provável ter lidado com o padrão GPT e MBR, relembrando que o GPT está gradativamente substituir o MBR.

Compreendendo as características do padrão GPT e do MBR:

imagem1

As unidades de armazenamento podem ou não virem pré-configuradas (formatadas) para facilitar a instalação de um sistema operacional ou mesmo para serem imediatadamente utilizada assim que fisicamente instalada, neste caso é novamente recomendado visitar o conteúdo relacionado clicando [aqui]. Quando o disco fixo (Rígido ou SSD) está sem nenhum padrão é necessário preparar esse espaço disponível para se utilizado, para saber como basta visitar esse pequeno conteúdo [aqui]. Para ambos os casos e considerando o sistema operacional Windows é necessário, quando o próprio sistema de instalação não faz, escolher o sistema de arquivos MBR ou GPT como padrão, entre as informações na definição estão o tamanho da partição, onde ela começa e termina e a qual partição os setores delimitados pertencem, por fim mas não por último informar ser ou não uma partição inicializável.

Apresentando o padrão MBR:

imagem2

O sistema de arquivos MBR foi introduzido pela primeira vez em 1983 utilizando o sistema operacional IBM PC-DOS 2.0 sendo nomeado como Master Boot Record, pelo MBR ser um setor de inicialização especial e localizado no início do disco rígido. Setor que armazena as instruções de inicialização para o sistema operacional instalado e os dados sobre as partições lógicas da unidade. Esse carregador de inicialização consiste num pequeno código responsável por iniciar a instrução de inicialização maior existente em outra partição da unidade. Para a configuração tendo o sistema operacional Windows, os bits iniciais do código de inicialização residem aqui sendo o motivo que precisa ser reparado quando os arquivos de inicialização for corrompido ou substituído equivocadamente anulando a inicialização do Windows. Ao adotar uma distribuição Linux, as instruções de inicialização do GRUB normalmente estão localizados no MBR.

Com a evolução dos sistemas operacionais e suas aplicações, limitações do padrão MBR começaram a receber destaque estando entre elas a compatibilidade com unidades de armazenamento de até 2TB, aceitando apenas quatro partições (separações lógicas) primárias, atingido esse limite é preciso adicionar numa partição primária uma partição estendida, criando partições lógicas dentro dela, condição raramente utilizada.

Apresentando o padrão GPT:

imagem3

Substituindo gradativamente o histórico MBR, o padrão GPT significa Tabela de Partição GUID (GUID Partition Table), combinando com o novo gerenciamento da placa-mãe por UEFI, padrão que está também substituindo progressivamente o padrão BIOS. Sucedendo o relativamente datado MBR, o novo e mais moderno sistema de arquivos GPT recebe o nome de Tabela de Partição GUID por cada partição na unidade de armazenamento possuir um identificador globalmente exclusivo (globally unique identifier) então, o GUID; sendo uma string randômica tão extensa que permite a cada partição GPT neste planeta muito possivelmente ter seu próprio identificador exclusivo.

O padrão GPT desconhece as limitações do padrão MBR, permitindo utilizar unidades de armazenamento com o tamanho em disco limitado apenas pelo sistema operacional. A quantidade de partições permitidas pelo GPT é quase ilimitado, mais especificamente determinado pelo sistema operacional e usando o Windows como exemplo reconhecendo até 128 divisões, abolindo a necessidade de partições estendidas.

Num disco fixo utilizando o MBR, ficam armazenados no mesmo lugar os dados de armazenamento e inicialização que na iminência de serem corrompidos ou substituídos, será motivo de problemas porém é uma condição pouco provável no padrão GPT, isso por ele armazenar diversas cópias desses dados pelo disco, significando maior robustez e melhorando as chances de recuperação em caso de dados corrompidos.

No padrão GPT são armazenados também os valores de Verificação Cíclica de Redundância (CRC – Cyclic Redundancy Check) certificando a integridade dos dados e em caso de dados corrompidos, isso pode ser percebido pelo GPT que pode tentar recuperar esses dados corrompidos de outro local do disco. Comportamento inexistente no padrão MBR sem a funcionalidade de verificar a integridade dos dados, dessa maneira sua descoberta só aconteceria quando falhasse o processo de inicialização ou inesperadamente desaparecessem as partições da unidade de armazenamento.

Um pouco sobre Compatibilidade:

imagem4

As unidades configuradas no padrão GPT costumam incluir um “MBR protetor”. Esse tipo de configuração MBR informa que uma unidade em GPT possui uma partição única se estendendo por toda a unidade de armazenamento. Para o caso que utilizar uma ferramenta antiga de gerenciamento de disco que só reconhece o padrão MBR, será exibida uma única partição se estendendo por todo o disco. Esse “MBR protetivo” garante a essas ferramentas não confundirem uma unidade em GPT com um armazenamento sem particionamento, podendo sobrescrever esses dados em GPT para o formato MBR, de maneira simplificada o MBR protetivo evita que os dados GPT sejam sobrescritos.

Apenas as versões 64btis do Windows Vista, 7, 8, 10 e correspondentes Server permitem usar o padrão GPT em conjunto com o novo sistema UEFI em unidades de inicialização, para unidades apenas de armazenamento as arquiteturas 32bits das mesmas versões, o reconhecimento das unidades em GPT mas no antigo sistema BIOS ocorre sem problemas.

Com a evolução dos sistemas operacionais, outros ambientes também podem adotar o GPT como sistemas de arquivos, a linha Macintosh da Apple com processadores Intel substituindo seu antigo padrão APT (Apple Partition Table – Tabela de Partição Apple) adotando o novo padrão GPT, tendo também o Linux com suporte embutido a esse novo padrão.

Conclusão:

Outro componente, embora lógico, indispensável para o uso de um computador ou notebook entre outros aparelhos é o sistema de arquivos, agindo de maneira praticamente transparente enquanto armazenamos, movemos, alteramos e excluímos arquivos nesses aparelhos, seja a pessoa envolvida ou não com o ambiente computacional.

A contínua evolução desse universo costumeiramente faz surgir novos dos mais variados formados e aqui abordando apenas os dois padrões atualmente mais conhecidos, por um lado o MBR como precursor e o GPT como substituto onde ambos surgiram para atender nossa inesgotável necessidade por espaço em disco, e produção de informações digitais.

Ainda que de maneira simplificada, o conteúdo teve a pretensão de abordar seus conceitos, motivos de utilização e limitações além de benefícios ao comparar as duas tecnologias, talvez até despertando o interesse de migrar para o novo padrão dadas as suas vantagens, por fim permitindo entender as motivações para adoção de uma ou outra categoria de sistema de arquivos.





Adotando o padrão GPT ou o MBR no particionamento das unidades de armazenamento
Iperius Backup Brasil
*****************************************

PLEASE NOTE: if you need technical support or have any sales or technical question, don't use comments. Instead open a TICKET here: https://support.iperius.net

*****************************************

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

*****************************************

PLEASE NOTE: if you need technical support or have any sales or technical question, don't use comments. Instead open a TICKET here: https://support.iperius.net

*****************************************